[ editar artigo]

04 ESTRATÉGIAS PARA INVESTIR EM AÇÕES

04 ESTRATÉGIAS PARA INVESTIR EM AÇÕES

A Bolsa de Valores vem ganhando mais popularidade no Brasil nos últimos meses, conforme mostram os dados divulgados pela B3 em Julho/2020:

Atualmente temos cerca de 3 milhões de CPF’s listados na bolsa, o que representa quase o dobro da quantidade que tínhamos no ano de 2019.

Mas a grande questão é: será que todo mundo sabe o “caminho das pedras?” Ou será que é mais um daqueles movimentos de manada que sempre observamos: “meu vizinho disse que é para compra ações”, “meu primo está ganhando dinheiro com isso”, e assim por diante.

Se você acredita, assim como eu, que a grande maioria das pessoas entra totalmente despreparada nesse universo, aqui vão 04 coisas que imagino que possa ajudá-las:

 

01 – COMPRA E VENDA À VISTA:

Essa é a estratégia mais simples para investir em ações. Basta você selecionar um determinado ativo, por exemplo, PETROBRAS (PETR3/PETR4), selecionar a quantidade de ações que irá comprar (você pode comprar de 100 em 100 – que é o “lote padrão” – ou pode comprar de 1 em 1 – que é o “lote fracionário”, determinar o preço de compra - ex: R$ 20,00 – e “tcharaaam”, compra ou venda executada.

 

Acompanhe o exemplo abaixo:

 

  • Ação: PETROBRAS
  • Ticker: (PETR3 ou PETR4)
  • Preço de Compra: R$ 20,00
  • Quantidade de Ações: 100
  • Valor à Vista: R$ 2.000,00

Esse valor será debitado da sua conta em D+2, ou seja, se você comprar no dia 26/08/2020, o valor será debitado dia 28/08/2020, por isso o nome “a vista”, pois o investidor precisa ter o saldo em conta na corretora para executar sua ordem.

Obs: caso ele não possua saldo em conta na data da liquidação, ele ficará com saldo negativo na corretora e poderá sofrer cobranças de taxas e juros até que faça o devido depósito.

 

02 – VENDA A DESCOBERTO:

 

 

Essa é uma estratégia especulativa onde o investidor visa apostar contra o mercado ou contra determinada ação, ou seja, para que ele ganhe ele precisa que o preço do ativo caia. A expressão “DESCOBERTO” significa que você irá vender um ativo que não possui, não tem cobertura dessa operação.

 

Como que o investidor pode vender algo que ele não possui?

 

Simples: entenda que existem diferentes tipos de investidor no mercado, aquele que de fato quer se tornar sócio da empresa, investindo seu capital nela por anos, e aquele que é o especulador, que quer auferir algum lucro num movimento de curto prazo. Para tanto, o investidor que longo prazo “aluga” suas ações para o investidor de “curto prazo” em troca de uma taxa de aluguel, que pode variar de acordo com a disponibilidade de locação daquele ativo, e o investidor de curto prazo pode fazer sua operação sem ter desembolso financeiro para isso, diferente do mercado à vista que o investidor precisa necessariamente ter o dinheiro na conta para realizar sua operação.

 

A execução da operação e relativamente simples, porém envolve um risco ilimitado, pois uma vez que sua operação sai contra o esperado e começa a subir desenfreadamente, sua perda pode ser ilimitada, para tanto você deve analisar cautelosamente qual o risco máximo que irá assumir e fazer uso do que chamamos de “stop loss”, que nada mais é do que um limite de perda máximo que você aceita naquela operação.

 

Acompanhe o exemplo abaixo:

 

  • Ação: BRADESCO
  • Ticker: (BBDC3 ou BBDC4)
  • Preço de Venda a Descoberto: R$ 25,00
  • Quantidade de Ações: 100
  • Valor Financeiro: R$ 2.500,00
  • Preço de Compra: R$ 20,00
  • Valor Financeiro: R$ 2.000,00
  • Lucro Bruto da Operação: R$ 500,00

 

Para você que não entendeu absolutamente nada do cálculo acima, entenda o seguinte:

 

No momento que você faz a VENDA À DESCOBERTO você aluga as ações e recebe um crédito na sua conta de R$ 2.500,00 (conforme exemplo acima), e quando você encerra a operação, ou seja, COMPRA as ações, seu desembolso será de R$ 2.000,00, pois você as recomprou num preço menor.

Desconte o preço de VENDA do preço de COMPRA e por fim desconte as taxas e impostos para chegar no lucro da operação.

 

03 – COMPRA COM MARGEM:

 

Essa estratégia pode ser entendida como uma espécie de alavancagem em suas operações, pois você poderá fazer uso de um dinheiro que você não tem para executar uma determinada operação.

Essa margem pode variar de ativo para ativo e de corretora para corretora, porém você pode consultar isso diretamente em sua corretora ou até mesmo com seu agente de investimentos.

A margem pode variar para operações que iniciam no dia e terminam no mesmo dia (day trade) e operações que iniciam no dia e acabam em outro dia/semana/mês (swing trade).

Esse tipo de estratégia pode potencializar seus lucros e também seus prejuízos em algumas operações, portanto o gerenciamento de risco é ideal, alocando frações adequadas de seu capital em cada uma dessas operações.

 

04 – LONG & SHORT

 

Já ouvi dizerem que esse tipo de estratégia é extremamente sofisticada e só pode ou deve ser executada por investidores com grande experiência de mercado.

 

A verdade é que isso é uma bobagem e é mais simples do que parece.

 

A ideia central desse tipo de operação é você COMPRAR um ativo e VENDER outro simultaneamente, buscando realizar a chamada “arbitragem” entre esses ativos.

O mais legal desse tipo de estratégia é que ela não tem desembolso financeiro, ou seja, você não trabalha com dinheiro próprio, pois no momento que você realiza a VENDA de algum ativo, você recebe o crédito dessa operação em sua conta (como se fosse uma VENDA A DESCOBERTO) e posteriormente usa esse crédito para COMPRAR outro ativo, podendo ganhar nas duas pontas, tanto na queda do ATIVO I quanto na alta do ATIVO II.

Essas operações costumam ser feitas de duas formas: intra setorial ou intersetorial, ou seja, com ativos do mesmo setor de atuação (ITAÚ x BRADESCO) e ativos de setores diferentes (VIA VAREJO x PETROBRAS). Existem estudos mais elaborados que encontram a relação entre dois ativos no tempo, onde fica perceptível encontrar níveis de disparidade entre os preços.

 

Por exemplo: historicamente as ações do ITAU sempre negociam na faixa dos R$ 30,00 enquanto as do BRADESCO negociam na faixa dos R$ 25,00. Em determinado momento encontramos as ações do ITAU negociando a R$ 40,00 e do BRADESCO negociando a R$ 15,00. Qual seria uma leitura possível de ser feita nessa situação? ITAÚ está cara e BRADESCO está barata, portanto podemos realizar um LONG x SHORT vendendo ITAÚ (apostando na correção do preço) e comprando BRADESCO (apostando na alta do preço), deste modo poderemos ganhar nas duas pontas.

Esse tipo de correlação também pode ser feito entre as ações ORDINÁRIAS (cód. 3) e PREFERENCIAIS (cód. 4) de uma mesma ação, por exemplo, PETR3 e PETR4, onde ao analisar o histórico dos dois ativos elas possuem uma dispersão de 10,0% e em dado momento estão com uma dispersão de 20,0% (uma está mais esticada do que a outra ou uma está mais descontada do que a outra), fazendo com que aproveitemos uma oportunidade para buscar a correção dos preços.

 

De modo geral o mercado de ações não possui uma fórmula pronta, e isso é o que o torna cada vez mais interessante, pois existem diferentes formas de ganhar dinheiro (e perder também), não existindo uma melhor ou pior, porém é importante que você, investidor iniciante, conheça um pouco de cada uma das possibilidades existentes para não sair fazendo o que te disseram que era para fazer.

 

Para ter informações adicionais desse conteúdo separei GRATUITAMENTE uma vídeo aula para vocês de um trecho de nosso CURSO de INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO:

 

 

Até a próxima.

Virei Trader - Comunidade de Day Trade
Lukas Rique
Lukas Rique Seguir

Graduado em Administração Certificado Internacionalmente como Life Coach Financeiro CEO & Founder da LCO Finances Investidor no Mercado Financeiro desde 2016

Ler conteúdo completo
Indicados para você