[ editar artigo]

Como funciona o direito de subscrição de ações?

Como funciona o direito de subscrição de ações?

O direito de subscrição é bastante importante e pode influenciar diretamente na rentabilidade dos seus investimentos.

Este evento acontece quando empresas decidem aumentar o seu capital social a partir da emissão de novas ações. Para não ver sua participação diluída por esta nova emissão, os atuais sócios recebem o direito de subscrição.

 

Emissão de novas ações

Recentemente, principalmente por conta da pandemia, várias empresas listadas vêm anunciando a emissão de novas ações, motivadas principalmente pela necessidade de reforçar o seu caixa neste momento crítico. Empresas também costumam emitir novas ações para financiar projetos de expansão e com isso aumentar sua rentabilidade. A emissão de novas ações é uma das vantagens de se ter capital aberto em bolsa: elas podem simplesmente captar dinheiro diretamente do mercado, sem juros, não sendo necessário recorrer ao capital de terceiros, como os bancos, o que obviamente é muito mais caro.

 

O que é o direito de subscrição?

Quando determinada empresa realiza a emissão de novas ações, os acionistas que já detêm posições nesta empresa possuem um direito de preferência (direito de subscrição) na compra destas novas ações.

O direito de subscrição deriva do fato de que com a emissão de novas ações, a empresa estará diluindo a participação dos seus atuais acionistas. Veja: se determinada empresa possui 100 ações em circulação e determinado acionista possui 50 ações, isso significa que sua participação no capital será de 50%. No entanto, se esta empresa emitir novas 100 ações, passando ao total de 200, a participação deste acionista, caso opte por não exercer o direito de subscrição, seria diluída para 25%.

Ou seja, de modo a permitir que sua participação não seja diluída, a empresa oferece o direito de preferência (direito de subscrição) aos atuais acionistas em comprar aquelas novas ações. 

Uma das vantagens do direito de subscrição, é que as novas ações emitidas normalmente são lançadas a um valor ligeiramente abaixo do valor de mercado, o que pode ser muito interessante, já que sempre é bom comprar com desconto.

Exemplo de CVC no ano passado: para cada 1 ação que for titular até o fechamento do pregão em 14/07/2020, o acionista poderá subscrever até 15/07/2020 o equivalente a 0,157429 por nova ação. Neste caso, quem possuir, por exemplo, 1000 ações de CVC, poderá subscrever até 157 novas ações.

 

Como eu exerço o direito de subscrição?

Normalmente as corretoras informam seus clientes através de e-mail acerca de todos os direitos de subscrição disponíveis no momento para cada posição em carteira.

Outra maneira de acompanhar se você atualmente possui direito de subscrição é entrar na área de Relação com Investidores no site das empresas e procurar pelos fatos relevantes mais recentes divulgados.

Ainda, a própria B3 disponibiliza em seu site, na área de Eventos Corporativos, todas as informações a respeito dos direitos de subscrição atualmente vigentes. 

Para exercer o direito de subscrição, basta entrar em contato com a sua corretora (algumas corretoras disponibilizam este serviço de maneira automática, como no caso da XP), além de, é claro, possuir o montante financeiro necessário em conta. Por exemplo, se for divulgado o direito de subscrição a R$10,00 na proporção de 0,5 para cada ação detida, significa que um investidor com 1000 ações terá o direito de subscrever 500 novas ações, e precisará ter no mínimo R$5.000,00 em conta para exercer o direito de subscrição por completo.

 

Posso vender ou comprar meu direito de subscrição?

Pode vender, caso a empresa tenha autorizado a negociação do direito de subscrição. Como o próprio nome já diz, se trata de um direito e não de uma obrigação, portanto, é possível negociar o direito de subscrição através do home broker da sua corretora, caso não queira exerce-lo. Muita atenção ao prazo: caso você não exerça ou não venda seu direito de subscrição dentro do prazo, perderá sua oportunidade e a subscrição entrará para as "sobras de subscrição", que serão explanadas adiante.

O ticker (código) de um direito de subscrição será semelhante a uma ação, a diferença é que o final terá os números "9" e "10", em vez dos tradicionais "3", "4", "6" e "11". Mas atenção: para negocia-lo o ticker utilizado será de final "1" para ações ordinárias e "2" para ações preferenciais.

Pode também comprar, inclusive se você ainda não foi acionista da empresa, desde que através do mercado secundário.

 

O que são as sobras de subscrição?

São todos aqueles direitos de subscrição que não foram exercidos ou negociados. Essas sobras acabam sendo oferecidas novamente aos acionistas, no objeto de alcançar o montante inicial pretendido pela empresa de levantamento de capital.

Virei Trader - Comunidade para traders
Ler conteúdo completo
Indicados para você